The Favourite: a luta pelo poder da vida real entre a rainha Ana e Sarah Churchill

lede-olivia-colman-queen-anne
Retrato da rainha Ana, por Mikael Dahl, 1705. Olivia Colman interpreta a rainha no filme A Favorita.

A história que inspirou o novo drama de época de Yorgos Lanthimos, The Favorite.

Continue reading “The Favourite: a luta pelo poder da vida real entre a rainha Ana e Sarah Churchill”

Anúncios

Entrevista exclusiva com Paulo Rezzutti autor de Mulheres do Brasil: a história não contada

81EFlHrLNlL1

Paulo Rezzutti é escritor e pesquisador paulista. Além de membro titular do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, trabalhou como consultor técnico nas exumações dos corpos de dom Pedro I e suas duas esposas, as imperatrizes, dona Leopoldina e dona Amélia, realizadas em sigilo entre fevereiro e setembro de 2012 e lideradas pela historiadora e arqueóloga Valdirene do Carmo Ambiel com o apoio da Faculdade de Medicina da USP. Rezzutti também é autor de diversos livros sobre história nacional, e é sobre um deles que ele nos falará nesta entrevista.

Continue reading “Entrevista exclusiva com Paulo Rezzutti autor de Mulheres do Brasil: a história não contada”

Aisha: a mãe dos fiéis muçulmanos (613-678)

8cfbfd55d5012d203dd9dcff22dca533
Mulher otomana, obra de Jean-Léon Gérôme, 1876.

Uma das esposas de Maomé, Aisha bint Abi Bakr, é conhecida como a amada esposa do profeta que liderou a sociedade em questões religiosas e políticas como a testemunha mais próxima das revelações do profeta.

Continue reading “Aisha: a mãe dos fiéis muçulmanos (613-678)”

A real história das Cruzadas

Procissão de Cruzados rumo a Jerusalém, óleo sobre tela de Jean Victor Schnetz, 1841.

Equívocos sobre as Cruzadas são muito comuns. Elas geralmente são retratadas como uma série de guerras santas contra o Islã, lideradas por papas loucos por poder e travadas por fanáticos religiosos. Supõe-se que eles tenham sido o epítome da autojustificação e da intolerância, uma mancha negra na história da Igreja Católica em particular e da civilização ocidental em geral. Uma raça de proto-imperialistas, os cruzados introduziram a agressão ocidental ao pacífico Oriente Médio e então deformaram a cultura muçulmana iluminada, deixando-a em ruínas. … Veja, por exemplo, o famoso épico de três volumes de Steven Runciman, History of the Crusades, ou o documentário da BBC / A & E, The Crusades, apresentado por Terry Jones.

Continue reading “A real história das Cruzadas”

Carlota Joaquina de Bourbon, infanta, rainha e imperatriz (1775-1830)

cEd7x8KYRadwDMJRVJoVjYmyPJMLLrhk
Retrato de d. Carlota Joaquina da Espanha, por Domingos António de Sequeira, 1802-06. (Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand)

Provavelmente seja d. Carlota Joaquina (1775-1830), irmã do rei Fernando VII (1784-1833), uma das personagens mais polêmicas da realeza espanhola. Uma mulher de óbvia ambição política, ela foi vítima de não poucas armadilhas por seus muitos inimigos dentro e fora da Espanha – que inclusive atacaram sua aparência física, descrevendo-a como um ser deformado e até monstruoso – que eventualmente a transformou em uma personagem desconfortável, se não hostil, da nossa história. No entanto, sua importância não é pequena, especialmente no que diz respeito à política da Espanha nas colônias americanas.

Continue reading “Carlota Joaquina de Bourbon, infanta, rainha e imperatriz (1775-1830)”

Teresa Cristina de Bourbon-Duas Sicílias, a última imperatriz do Brasil (1822-1889)

Retrato da imperatriz Teresa Cristina. Pintura de autor anônimo de 1855.

A siciliana d. Teresa Cristina de Bourbon-Duas Sicílias (1822-1889), foi a imperatriz consorte do Brasil, o maior país da América Latina por um período de 45 anos, no entanto, é considerada uma das grandes incógnitas de nossa história. Talvez a excessiva publicidade dada a seu marido, dom Pedro II (1825-1891), o “imperador filósofo”, como era conhecido, tenha ofuscado Teresa Cristina, em seu tempo conhecida como “a mãe dos brasileiros”.

Continue reading “Teresa Cristina de Bourbon-Duas Sicílias, a última imperatriz do Brasil (1822-1889)”