Princesa saudita Basmah bint Saud revela que está em prisão

Princesa Basmah falando no Instituto do Oriente Médio em Washington DC, em 12 de abril de 2017. (Foto de Mandel Ngan/AFP)

A princesa Basmah está presa há um ano na Arábia Saudita. Através de redes sociais ela pediu ajuda ao tio, o rei Salman, e ao seu primo, o príncipe herdeiro Mohamed bin Salman. Basmah é conhecida por ser uma defensora das mulheres e dos direitos humanos e foi presa sem acusações formais.

O pedido de Basmah foi feito através de uma carta em tom desesperado, divulgada na quinta-feira (16-04) através de suas contas no Twitter e Instagram, na qual ela pede que o rei Salman e o príncipe herdeiro Mohamed analisem seu caso porque seu estado de saúde é “muito grave” e ela corre o risco de morrer na prisão.

“Peço ao meu tio, o custodiante das duas sagradas mesquitas, o rei Salman Bin Abdulaziz al Saud, e meu primo, o príncipe herdeiro Mohamed Bin Salman, que revejam meu caso e me libertem, pois eu não fiz nada errado. Meu estado atual de saúde é MUITO crítico”, afirma a carta que dá enforque ao seu estado de saúde com letras maiúsculas.

“Como você sabe, atualmente estou sendo arbitrariamente detida na prisão de Al Hair sem que [nenhuma] acusação criminal ou outras sejam apresentadas contra mim”, continua a carta. “Minha saúde está se deteriorando em um grau severo e que pode levar à minha morte. Não recebi atendimento médico ou resposta a cartas que enviei da prisão para a Corte Real”, acrescenta.

Basmah bint Saud bin Abdulaziz Al Saud, tem 56 anos e é a filha mais nova do rei Saud bin Abdulaziz Al Saud, que reinou entre 1953 e 1964 na Arábia Saudita. Não está claro como a princesa teve acesso à Internet, mas o pedido de ajuda poderia ter sido feito através de uma pessoa de seu entorno ou de uma secretária pessoal.

De acordo com o The Guardian a princesa Basmah e sua filha foram detidas enquanto tentavam deixar a Arábia Saudita para a Suíça em março do ano passado. Ela alegou que precisava urgentemente de tratamento médico. Porém, ela foi impedida de embarcar no avião que a levaria para a Suíça no Aeroporto em Jeddah.

Basmah é filha do rei Saud com a síria Jamila Merh, que levou-a para Beirute, onde viveram até o início da guerra civil em 1975 e se mudaram para o Reino Unido, onde ela cresceu e treinou. Mais tarde, ela se casou com uma saudita de destaque, com quem teve cinco filhos e de quem é divorciada, afirma o El Pais.

No passado Basmah falou a favor de revoltas árabes e propôs mudanças na Arábia Saudita, sugerindo que o país se tornar-se uma monarquia constitucional em detrimento do atual sistema de governo, que é uma monarquia absolutista. Basmah voltou ao reino no final de 2015, mas nunca criticou abertamente a família real.

As notícias de sua detenção surpreenderam dois membros da realeza sênior, que disseram que ela não era ouvida há quase um ano e que, segundo um ataque de doença, era convalescente. Outros membros da família extensa acreditavam que ela estava em prisão domiciliar.

A Human Rights Watch (HRW) disse que a prisão de Basmah se encaixava em um padrão claro de dissidentes que são silenciados implacavelmente pelo príncipe Mohammed, que tem metodicamente consolidado o poder desde 2017, quando tornou-se príncipe herdeiro da Arábia Saudita e passou a tomar contar dos assuntos governamentais devido a idade avançado do rei.

“Ninguém está fora dos limites do príncipe herdeiro. Ele realmente está atrás de todo mundo e as mulheres suportaram o peso disso. Estamos vendo coisas que nunca vimos antes na Arábia Saudita, afirmou Rothna Begum, pesquisadora sênior de direitos das mulheres da HRW ao jornal The Guardian.

O príncipe Mohammed exige lealdade total dos membros da família real e mostrou-se disposto a enfrentar a realeza que era considerada intocável e tribos que eram influentes demais para se envolver. Ele foi acusado de ordenar a morte do jornalista crítico Jamal Khashoggi em Istambul em outubro de 2018. Ele implementou inúmeras reformas no país.

Desde que a prisão de Basmah bint Saud tornou-se de conhecimento público em novembro do ano passado, a monarquia saudita não falou sobre o assunto, como é a norma em situações semelhantes envolvendo seus membros.


Está matéria foi escrita por Fernanda Flores, com base nas informações coletadas das fontes, que são citadas ao longo do texto. A autora permite reprodução e tradução do texto desde que seja citada a fonte e a autoria.


Publicado por Fernanda Flores

Historiadora e pesquisadora brasileira Fernanda da Silva Flores é criadora e idealizadora do blog Rainhas Malditas: Reis e Rainhas que Fizeram História no ar desde 2016 e da página homônima no Facebook lançada em junho de 2018. Tem 22 anos e possui graduação plena na disciplina de História pela Universidade Norte do Paraná. Cursa pela mesma instituição educacional pós-graduação em Gestão e Organização da Escola com Ênfase em Supervisão Escolar. Seu objetivo é resgatar do campo de interpretações equivocadas e dotadas de forte carga preconceituosa figuras que marcaram época. Seus escritos possuem linguagem moderna e dinâmica para assim atingir o grande público que não tem acesso - ou não se interessa - em trabalhos acadêmicos e científicos. Por meio de suas pesquisas diversos mitos são derrubados, sem, entretanto, cair no erro contrário de enaltecer uma realidade distorcida.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: