Jovem afegã é morta pelo irmão após fugir com o namorado

Um menino segura a burca de sua mãe enquanto caminham por uma rua na cidade velha de Cabul em 1º de novembro de 2009.
(Foto de Nicolas Asfouri/AFP)

As meninas e mulheres que têm relações com homens fora do casamento costumam ser alvo de punições brutais – incluindo açoites públicos, prisão e até morte no Afeganistão. A jovem Nazela, de 18 anos, foi mais uma vítima.

De acordo com as informações da Radio Free Europe uma jovem de 18 anos chamada Nazela, ousou quebrar as rígidas normais sociais afegãs e pagou o preço máximo por isso. Seu irmão a matou depois que ela fugiu de casa com o namorado.

O incidente chocante foi apenas o caso mais recente no Afeganistão dos chamados Crimes de Honra. Tais crimes ocorrem quando as mulheres desonram a família, como fugir com homens ou cometer adultério.

A polícia disse que Nazela, foi estrangulada com fio elétrico e depois esfaqueada até a morte no distrito de Baharak, na província de Badakhshan, no nordeste do país, em 1º de maio.

Noor Agha Naderi, governador de Baharak, afirmou que a vítima havia rejeitado uma proposta de casamento com outro homem que havia sido arranjado por sua família e fugiu de casa refugiando-se na sede da polícia do distrito com o namorado.

Mas apenas dois dias depois, seu irmão a pegou na delegacia e garantiu à polícia que nada aconteceria com ela. Ele não cumpriu a promessa. Dentro de uma hora, ela estava morta.

As autoridades acreditam que o irmão da vítima escapou para o distrito de Jurm, que é controlado pelo Talibã, grupo islâmico radical, dificultando a apreensão da polícia.

O Talibã controla e contesta partes do Badakhshan, uma província remota e montanhosa que faz fronteira com o Tajiquistão, China e Paquistão.

Naderi disse ainda que os policiais que libertaram a vítima, sabendo que ela estava em perigo, foram suspensos e estão sob investigação.

Arefa Nawid, chefe do escritório provincial da Comissão Independente de Direitos Humanos do Afeganistão (AIHRC), culpou a polícia por maltratar o caso.

Ela disse que a polícia não deveria ter libertado a mulher e, em vez disso, deveria transferi-la para um abrigo para mulheres.

Crimes “morais”

As chamadas “ofensas morais”, incluindo adultério ou mesmo fugir de casa, não são consideradas crimes sob o Código Penal Afegão. Porém, centenas de mulheres e meninas foram presas após serem condenadas por “imoralidade” por tribunais dominados por conservadores religiosos.

Em algumas áreas rurais, onde os militantes do Talibã exercem considerável influência, os moradores costumam ver os órgãos do governo como corruptos ou não confiáveis e recorrem aos tribunais do Talibã para resolver disputas.

Os tribunais do Talibã empregam interpretações estritas da lei da Sharia, que prescreve a morte ou, em outros casos, açoitamento público, para homens ou mulheres considerados culpados de ter um relacionamento físico fora do casamento.

A família da mulher muitas vezes está por trás dos castigos, em alguns casos afastando a mulher ou entregando-a às autoridades para julgamento. Nos piores casos, os parentes da própria mulher podem realizar os assassinatos.

Com informações de Radio Free Europe

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s